Economia para pets: o custo de ter um gato ou um cachorro

Economia para pets: o custo de ter um gato ou um cachorro

Para ter um filho, as famílias costumam se planejar ou entender um momento propício, no qual o orçamento familiar esteja mais preparado para receber a criança. Se não o fazem, pelo menos, deveriam fazer.  Ora, a chegada de um pet ao lar também gera custos imprevistos, que devem ser pensados não só para a saúde e qualidade de vida do animal, mas também para a saúde financeira do seu dono.

O custo fixo por mês de uma pessoa é um fato e varia de acordo com o estilo de vida que ela leva. Assim também é com o pet. Da mesma maneira que os humanos, nossos animaizinhos de estimação também se alimentam, precisam de cuidados para se manterem saudáveis, de banho e de entretenimento.

Em relação à comida, isso já é esperado. Assim é, também, com os pequenos brinquedos que distraem e exercitam o cachorro ou o gato dentro de casa. No entanto, muitas vezes, passa despercebida pelos donos a necessidade que o animal terá com algum gasto extra, como uma doença ou uma cirurgia de emergência.

Poupança pet

Além desses gastos, existem pessoas que optam por contratar serviços de banho (ou tosa, quando necessário) e também de passeio para seus amigos de quatro patas. Isso acontece, na maioria das vezes, para otimizar tempo e, até mesmo, espaço no caso dos serviços de banho.

A questão é que, por conta desses gastos extras e não pensados, muita gente resolve voltar atrás em sua decisão de ter um bichinho, devolvendo-os aos antigos cuidadores ou, no pior e mais cruel dos casos, abandonando-os à própria sorte pelas ruas.

Para que isto não aconteça, primeiro, antes de decidir ter um animal de estimação planeje-se. Entenda o momento da vida em que você está, para saber se terá tempo, carinho e dinheiro para investir com o novo amigo.

Existem algumas maneiras de se prevenir dos custos gerados pela demanda de investimentos exigida pelo pet.

Um delas é entender que muitos produtos, se comprados em grande quantidade, podem render economia, como as rações ou outros tipos de alimentos consumidos pelo animalzinho, como os sachês de carne, por exemplo. Da mesma forma, há serviços que, se adquiridos em pacotes, podem reduzir os gastos, como os pacotes que envolvem uma determinada quantidade banhos ou de passeios por mês.

Outro jeito de se prevenir de custos imprevistos é optando por medidas preventivas, no que diz respeito à saúde do pet. É muito mais rentável levar seu bichinho ao veterinário esporadicamente durante o ano para check up, assim como nós fazemos, do que esperar aparecer um problema mais grave para levá-lo. Doenças, quando aparecem por falta de cuidado, geram muito mais gasto para remediar, do que se elas tivessem sido prevenidas.

Algumas pessoas, ainda, arrumaram uma forma de se garantir contra os empecilhos causados pelos custos fora de hora com seus animaizinhos: a poupança pet. Trata-se de um investimento (em poupança ou em qualquer outro investimento preferido pelo dono) que ficará retido no banco, rendendo, até o momento que um gasto surpresa se apresentar. Assim como se poupa para a festa ou a viagem de quinze anos de sua filha ou para a entrada do filho na faculdade.

O importante é lembrar que a decisão de ter um amigo de quatro patas não é algo para se voltar atrás, depois de o pet já estar em sua companhia. Possuir um pet é uma grande oportunidade de doar e receber amor e, como em toda relação, este amor exige dedicação.

Você pode ter certeza de que seu pet estará inteiramente dedicado a esta tarefa, ou seja, a de te dar amor e atenção. A pergunta é: você está preparado para dar de volta?Conheça o Instituto Apaixonados por Quatro Patas. Nossas clínicas veterinárias associadas oferecem todos os serviços para dar a excelente qualidade de vida que seu pet merece. Acesse nosso site e venha nos fazer uma visita.